Terreiro Contemporâneo de Dança

MAO discute as relações étnicas raciais com criança, na Semana Nacional da Educação Infantil.

 
Museu de Artes e Ofícios discute as relações étnicas raciais com criança, na Semana Nacional da Educação Infantil.
 
O Museu de Artes e Ofícios (MAO) recebe, no projeto Ampliando Horizontes, Andréa Borges de Medeiros para refletir sobre o tema "Por uma pedagogia de Cortejos. Modos de viver as relações étnico-raciais com crianças". Destinada a todos os interessados pela tema, palestra pretende mostrar a escola como um espaço no qual as experiências com a cultura popular se tornam fundamentais. O evento integra as ações da Semana Nacional da Educação Infantil, que vão acontecer em diversas instituições de ensino da capital mineira e do Brasil. No MAO, o encontro ocorre no dia 25 de agosto, terça-feira, às 19h30, com entrada gratuita. Inscrições no  link -  http://goo.gl/forms/3CI2hK4fcW.    
 
De acordo com Andréa, estudiosa do tema das relações étnico-raciais e da construção identitária de crianças afrodescendentes, os Cortejos em Minas Gerais acontecem das formas mais variadas possíveis. "No tocante à educação para a compreensão das relações étnico raciais com crianças pequenas, os Cortejos são formas brincantes de cantar e dançar, de contar histórias, e de  comemorar a diversidade cultural brasileira. A força da cultura afrobrasileira  faz girar as rodas de Reizinhos do Congo e Rainhas Meninas, que no cotidiano da escola, sempre se reiventam. Vale dizer que nessa perspectiva o diálogo entre gerações é valorizado e, nesse sentido, a Memória se fortalece e uma História ressignificada se faz presente", explica.     
 
Andréa Borges de Medeiros  
É professora graduada em Pedagogia pelo Instituto Católico de Minas Gerais ( ICMG ) / Coronel Fabriciano ( 1993 ) e tem especialização em Alfabetização e Linguagem pela Universidade Federal de Juiz de Fora/UFJF  ( 1997). Conquistou o título de Mestre em Educação através do PPGE/UFJF em maio de 2001, focalizando a temática das relações étnico-raciais e da construção identitária de crianças afrodescendentes. Atualmente, é doutoranda no mesmo Programa de Pós-Graduação, ou seja, no PPGE/UFJF, e desenvolve uma pesquisa em torno da compreensão das dinâmicas da Memória na infância. Andréa é coordenadora pedagógica de uma escola pública da rede municipal e supervisora do Programa Nacional de Alfabetização na Idade Certa em Juiz de Fora. Participa do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade Federal de Juiz de Fora/ NEAB. Sob a sua responsabilidade estão o curso de práticas pedagógicas para a compreensão das relações étnico-raciais e o Seminário de Pesquisa no Curso de Especialização em História da África e Cultura Afro-Brasileira, oferecido para professores da rede pública. Atualmente, as sua áreas de inserção acadêmica são as seguintes: Relações Étnico-raciais; Diversidade; Infância; Memória e Ensino de História.   
 
Semana Nacional da Educação Infantil - 2015    
 
No dia 3 de abril de 2012, foi sancionada a lei que institui a Semana Nacional da Educação Infantil, a ser celebrada, anualmente, na semana de 25 de agosto. Nesta data, também passa-se a comemorar o dia Nacional da Educação Infantil, em homenagem à Dra. Zilda Arns.    
 
Desde o ano de 2012, em Minas Gerais, a Gerência de Coordenação da Educação Infantil - GECEDI -, em articulação com várias instâncias da Secretaria Municipal de Educação, diferentes Secretarias Municipais, Universidades, Espaços Culturias da Cidade, Escolas, UMEIs, Creches e Gerências Regionais de Educação, vêm promovendo diferentes ações para dar visibilidade à Educação Infantil em Belo Horizonte. Com o intuito de mobilizar vários seguimentos e pessoas envolvidas com a Educação Infantil, com a sua  diversidade cultural e de identidade foi criada uma agenda  variada para a semana de 24/08 a 28/08, voltada para o tema Relações Étnico-Raciais.   
 
O Museu de Artes e Ofícios recebeu, durante o 1º semestre de 2015,  150  professores de UMEIS e Creches de Belo Horizonte para encontros de formação.  E, durante a Semana da Educação Infantil, quase 1000 crianças visitarão o museu.       
 
Ampliando Horizontes 
Promovido desde 2008, o "Ampliando Horizontes" faz parte das ações do programa "Trilhas e Trilhos", realizado pelo Setor Educativo do Museu de Artes e Ofícios. Esta ação, oferecida pelo Museu, propõe a criação de um espaço de discussão e debate sobre diversos temas relacionados à instituição museu, patrimônio, universo do trabalho, cultura entre outros. Este projeto é voltado aos educadores que visitam o MAO e a todos os interessados nos temas propostos. Os encontros acontecem uma vez por mês, com a duração de aproximadamente 1h20, sendo 40 minutos de palestra, seguidos por debate com os presentes. O intuito é estimular a reflexão sobre as múltiplas possibilidades de exploração sensível da temática apresentada no MAO. Representantes das artes plásticas, literatura, cinema, música, dança e intelectuais serão convidados para realizar esta tarefa.   
 
MAO 
Para manutenção de suas atividades, o Museu de Artes e Ofícios conta com o patrocínio máster da Oi, o patrocínio da Gerdau, do Itaú e Cemig e o apoio do Instituto Oi Futuro, Hospital Mater Dei, CBMM, CBTU, Marcarenhas Barbosa e Roscoe, CCR e Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, e com os benefícios das Leis Federal, Estadual e Municipal de Incentivo à Cultura.   
 
Serviço   
Ampliando Horizontes -  com a professora Andréa Borges de Medeiros   
Tema: "Por uma pedagogia de Cortejos. Modos de viver as relações étnico raciais com crianças"   
Dia/Data: 25 de agosto, terça-feira, às 19h30, no Museu de Artes e Ofícios - Praça da Estação, 600 - BH/MG   Inscrições: http://goo.gl/forms/3CI2hK4fcW     
 
Assessoria de imprensa Coordenação 
Jozane Faleiro - Luz Comunicação / (31) 3567.6714  / (31) 88280906 / 92046367 

Autor / Fonte:Jozane Faleiro




Comentários