Eventos

Despertar do movimento

  
Cronograma:
 
14 a 16 de agosto
Sexta - 19hs Roda de abertura
Sábado - Manhã Atividades
             13hs Almoço
             Tarde Atividades
             Noite Proposta Livre

Domingo - Manhã Atividades
 
             13hs Almoço
             Tarde Percurso Performático
             18hs Roda de encerramento


* Para as pessoas que não moram em Tiradentes  existe a possibilidade de dormir na própria casa, trazendo colchonete ou saco de dormir. Inscrições e dados para pagamento por email com juliocvlage@gmail.com Plasma produções.  
 
Capacidade máxima 20 lugares. 
 
Jornada:
 
A dança como possibilidade de explorar o campo de autoconhecimento. 
O movimento do corpo como potencial de escuta dos movimentos internos. 
O que me move? Quem eu sou? Como eu me movo? 
 
Despertar do Movimento é um trabalho que visa potencializar a consciência na forma de se relacionar com o próprio corpo, o corpo do outro e o mundo. Propomos uma investigação através de práticas de movimento no espaço aliada a uma escuta dos processos emocionais. De um lado acessamos a fisicalidade apurando as percepções do olhar, da pele, da respiração, peso e apoio. E por outro criamos um campo afetivo que permita explorar espaços sensíveis de intimidade e partilha. 
 
A partir dessa relação, convidamos as pessoas a experimentar a vida como um ato criativo. 
 
Criar, aqui, não é realizar uma obra de arte (o que também pode acontecer), mas sim encontrar dentro da gente um espaço único, liberto de julgamentos, com intensidade e excitação. Um estado permanente de curiosidade. Estar presente no aqui e agora, um estado de meditação.  Acessar esses espaços nos leva a atravessar nossos limites. Expandir criando um fluxo de energia que transforma o que é conhecido; abre espaço para o novo, nos faz sentir vivo.  
 
O espaço:
 
Tiradentes é uma das cidades históricas mais bem-preservadas do Brasil. As ruas estreitas com calçamento de pedra conduzem por entre o casario colonial e igrejas barrocas num cenário emoldurado pela Serra de São José. À noite, a luz branda acompanha o clima pacato da cidade. E é nessa atmosfera que vamos realizar nossa jornada, ora dentro de um belo salão em um sobrado do século XVIII, ora em reservadas vivencias ao ar livre que podem ser no caminho da mãe d'Água, ou no beco dos escravos ou até mesmo na trilha do carteiro. A Serra de São José traz a sensação de contenção que a jornada propõe.
 
Desejamos que o almoço seja em grupo, propiciando assim um momento a mais de convivência para trocas, devoluções e ate mesmo, o valioso silencio.
 
A abertura na sexta é um pouco mais informal, será um encontro para apresentação e sintonização da proposta.
 
Para essa jornada nao é necessário ter experiência com trabalho corporal, mas sim uma pré-disponibilidade a expandir, essa jornada é perfeita para você: 
 
-que é artista profissional e busca caminhos de aprofundamento técnico ou de novos horizontes expressivos 
-que não tem pretensões artísticas, mas que quer trabalhar a expressividade do corpo de forma ampla sem se restringir a aulas de dança ou teatro 
-que acredita que tem bloqueios com seu corpo, mas sente que existem coisas por dentro querendo sair... 
-que deseja desenvolver a consciência do seu instrumento físico em todas as suas possibilidades
 
 
Quem somos:
 
Bodh Sahaj
 
Pesquisador nas questões do corpo, psicológo desde 2003 com
especialização em Analise institucional 2005 pela UFRGS e em Terapias corporais : Reichiana 2001 e Bioenergética 2010 pelo Centro de Meditação e Terapia Bioenergética Namastê, trabalha com atendimento psicoterápico individual e de grupo a 12 anos.
 
Praticante de Capoeira Angola desde 1998. Em 2012 passou a integrar a equipe de organização e produção do Festival Sul em Contato, atualmente em sua 4o edição. Em sua trajetoria no Contato temcomo referencia Catalina Chouhy (uruguai), Ricardo Neves (SP), Cristina Turdo (Arg) Gabriel Forestiere (USA) Andrew Haywood (Canada), Ray Chung (USA), Javiera Sanhuez ( Chile) Gustavo Lecce ( ARG) Ralf Jaroschinski (Alemanha) entre outros... Durante estes anos vem mergulhando nesta prática de dança estando em festivais nacionais e internacionais de Contato Improvisação. Integrante do grupo IBEJI de dança e percussão de cultura Yorubà coordenado pelo Nigeriano Ìdòwú Akínrúlí. Integrante Coletivo Moebius de dança contemporânea. Em 2015 passou a participar do grupo GEDA de dança coordenado pela coreógrafa Maria Waleska van Helden.  Criador e bailarino do projeto Duo pelo Mundo junto com a bailarina Priya Mariana Konrad realizaram intervenções performáticas por oito países entre Europa e Ásia em 2014 durante quatro meses.
 
Priya Mariana Konrad

Pesquisadora do corpo através da arte. Artista Visual formada pela UFRGS em 2008. Trabalha com desenhos e pinturas.  A dança como uma paixão, faz parte de sua vida desde quatro anos de idade atravessando técnicas entre ballet, jazz, contemporâneo e contato improvisação. Realizou diversas performances junto a exposições em instituições culturais, eventos e festivais como Conexões Globais, Bienal do Mercosul, Bienal B, Plataforma Performance, Casa de Cultura Mario Quintana, Fundação Ecarta. Integrante Coletivo Moebius de dança contemporânea com mais recente trabalho Ìgbà - Exercício de Contemplação com direção de Douglas Jung. Integrante do grupo IBEJI de dança e percussão de cultura Yorubà coordenado pelo Nigeriano Ìdòwú Akínrúlí. Criadora e bailarina do projeto Duo pelo Mundo junto com companheiro Sahaj que realizaram intervenções performáticas por oito países entre Europa e Ásia em 2014 durante quatro meses. 
Faz parte da organização e produção do Festival Sul em Contato com concepção de Fernanda Carvalho Leite desde 2012. Pratica contato improvisação desde 2011, participando de aulas, festivais e workshops com diversos professores entre eles, Lior Ophir (Israel), Gustavo Lecce (Argentina), Tal Avni (Israel), Paula Zacharias (Argentina), Gabriel Forestieri (Estados Unidos), Catalina Chouhy (Uruguay), Sasha Bezrodnova (Rússia), Cristina Turdo (Argentina), Heike Kuhlmann (Alemanha), Ralf Jarotski (Alemanha), Alessandro Rivelino (RS), Ana Alonso (SC), Fernanda Carvalho Leite (RS), Javiera Sanhueza (Chile), Andrew Haywood (Canadá), Ricardo Neves (SP), Ray Chung (Estados Unidos). Formação e prática em grupo de aprofundamento em Movimento Autêntico com Soraya Jorge desde fevereiro de 2015. Ministrou oficina  A Linha entre o Desenho e a Dança no 4o Festival Dança Ponto Com em 2013.  
   
Contribuição consciente "sugerida":
 
Investimento:
Solidário - R$ 200
Justo - R$ 250
Abundante - R$ 300
 
O que significa contribuição consciente "sugerida" ? esse é um convite inovador, por isso tire um tempinho pra saber um pouco mais sobre a forma de contribuição dessa jornada.
 
COLABORAÇÃO CONSCIENTE E CO-RESPONSABILIDADE FINANCEIRA:
 
A contribuição consciente "sugerida" é uma forma de pagamento que permite a cada pessoa oferecer o quanto pode pagar (dentro de três valores como sugestão) por um evento de arte e entretenimento oferecido, de acordo com sua avaliação a respeito da qualidade e complexidade do evento realizado, aliado a sua condição financeira atual. Quando fazemos nossa contribuição a partir desta consciência, sabemos que o valor que escolhemos é justo e bom para o nosso próprio benefício e do todo.
 
Ao contribuirmos com energia monetária, estamos contribuindo para a manifestação física de uma iniciativa. Nós possibilitamos que o trabalho tenha continuidade e que outras pessoas possam conhecer seus frutos.
 
O privilegio da contribuição consciente sugerida é que não tem um valor como única opção para todos, pois somos seres humanos diferentes, com também condições financeiras diferentes, cada um se responsabiliza pela sua escolha de quanto pagar e as motivações que levaram a ela.
 
Contribua no tamanho da sua abundância, sugerimos que o valor escolhido por você represente um ponto de equilíbrio entre:
- um dos valores que não seja um sacrifício para você
- e que envolva um pequeno esforço pessoal
- um dos valores que represente quanto você acredita e valoriza essa proposta
 
E que não seja o menor apenas pelo automatismo, reflita mais um pouquinho com as informações abaixo.
 
Sugerimos algumas perguntas para refletir sobre o tema do dinheiro, que tanto é tabu na nossa sociedade:
 
• quanto eu gostaria de receber se estivesse no lugar das pessoas que estão realizando este encontro? 
• quanto tempo deve ter sido investido na preparação desse encontro?  
• qual é o valor habitualmente praticado no mercado para uma atividade com proponentes que vem de fora da cidade e que isso também representa seus deslocamentos e hospedagens, e também o aluguel do espaço?
• qual é a minha realidade financeira hoje? · como, quando e em que escolho investir meu dinheiro? 
• como posso contribuir para que novas relações com o dinheiro sejam construídas na sociedade?
• estou alimentando o que me alimenta?   

Autor / Fonte:Hoy Pocilga




Comentários